Apresentação
O doutoramento em Estudos de Património propõe-se como um ciclo de formação avançada cuja base científica reside no conceito lato das Humanidades: indagar o passado e o presente acerca das questões que vinculam os homens uns aos outros. As metodologias da História e da Arqueologia, da História da Arte e da Literatura são convocadas como instrumentos de formação mas não devem implicar leituras compartimentadas. Ao contrário, pretende-se que estas e outras disciplinas científicas se possam conjugar numa leitura multidisciplinar que contribua para uma visão alargada e integrada dos bens patrimoniais e para o seu estudo crítico.

Objetivos

As heranças culturais do passado, lidas a partir das diversas problemáticas levantadas pelo conceito contemporâneo de Património, são o eixo dos estudos que se pretendem efetuar, cujos objetivos gerais são:

  • Criar possibilidades de investigação que considerem diferentes objetos, escalas e representações das manifestações culturais numa visão integrada dos bens patrimoniais (materiais e imateriais), como parte essencial da herança do passado, decisiva na construção das memórias coletivas, na criação e na manutenção criativa das heranças culturais
  • Desenvolver o conhecimento e a capacidade crítica para as diferentes abordagens metodológicas, leituras e apropriações passíveis de se fazerem do objeto patrimonial, independentemente da sua natureza, enquanto processo de construção do passado e uso da memória para determinados fins
  • Aprofundar entre os formandos a reflexão sobre o lugar do passado, da memória e dos discursos de identidade na construção contemporânea da cidadania

Funcionamento

O curso doutoral reveste-se essencialmente de caracter teórico-conceptual e metodológico que privilegia uma visão integrada das diferentes dimensões patrimoniais, tendo uma disciplina obrigatória em torno das questões centrais do Património – como a História, a Memória ou a Identidade – e duas opções (no mínimo) escolhidas de um leque de Unidades Curriculares (UC) que exploram aquelas diferentes dimensões.

A título de exemplo, listam-se os perfis das UC optativas que o estudante poderá escolher, como sejam “História e Património” (focada no âmbito do património arquivístico cronístico e historiográfico), “Literaturas da Memória” (tratando a dimensão patrimonial das criações literárias), “Cidade: memória e mudança” (centrada nos núcleos urbanos enquanto locais privilegiados da memória e da mudança das sociedades); “Paisagem Cultural e Arquitetura Tradicional” (que explora as questões da paisagem cultural e da arquitetura tradicional em meio rural); “Arquivos da Terra” (tratando da natureza e especificidades do Património Arqueológico); “Objetos de Culto” (focado no Património Artístico) e “Patrimónios Imagéticos da Contemporaneidade” (centrada na patrimonialização da imagem e na cultura visual).

Após ser confrontado com estas perspetivas transdisciplinares e complementares inerentes ao próprio conceito contemporâneo de Património, o estudante é convocado a iniciar e desenvolver, na mesma perspetiva integrada e questionadora do lugar do Património na contemporaneidade, a sua investigação a partir de dois seminários de debate teórico metodológico. Se o primeiro (“Seminário de Projeto de Tese”) é dirigido a preparar o seu projeto de tese e a criar as balizas e escoras que lhe ditarão o caminho a seguir, no segundo (“Seminário de Acompanhamento da Tese I”), a realizar no 3º semestre, o estudante é levado a trilhar o caminho e tema de investigação da tese que se propõe fazer, aprofundando-o, testando-o e validando-o com a apresentação pública do trabalho perante um júri.

No final do 3.º semestre, com a aprovação do seu projeto, o estudante obterá o diploma do curso doutoral, podendo prosseguir o desenvolvimento da sua tese que, entretanto, já iniciou. No 4.º semestre, com o “Seminário de acompanhamento da Tese II”, os estudantes, enquadrados pelos respetivos orientadores, mas prosseguindo um caminho cada vez mais autónomo, apresentarão e discutirão em sessão pública a evolução das suas investigações.

Legislação aplicável

Propinas e taxas 2021/2022

Candidatos nacionais: 1500 Euros

Candidatos internacionais*: 3000 Euros

Taxa de candidatura: 100 Euros

Taxa de Inscrição e Seguro Escolar: 275 Euros

Nota: A propina deste curso pode ser paga em 10 prestações, sendo a primeira no ato da matrícula e as restantes nos meses de outubro, novembro, dezembro, janeiro, fevereiro, março, abril, maio e junho.

* de acordo com o Decreto-lei n.º36/2014, alterado pelo Decreto-Lei nº 62/2018, de 6 de agosto, são considerados estudantes internacionais os nacionais de um estado que não seja membro da União Europeia e que residam legalmente em Portugal há mais de dois anos, de forma ininterrupta, em 1 de janeiro do ano em que pretendem ingressar no ensino superior.

As candidaturas são efetuadas através de formulário online.